Logo Loading

0.00 

Enganos

(1 avaliação de leitor)

Segunda edição, revista pela autora

PDF
Partilhar

Meet The Author

Enganos, de Ângela Correia, foi publicado, pela primeira vez, em 1997, na editora A Mar Arte. No Jornal de Letras, Artes e Ideias, Fernando Venâncio dedicou-lhe na altura uma crítica que dizia assim:

«Uma casa editorial jovem (tem cerca de três anos), uma autora sem obra conhecida – e um livro invulgar. Tem, pois, de sublinhar-se a aparição deste volume, «Enganos», de Ângela Correia, trazido a público na coimbrã A Mar Arte. Um perigo destas magníficas três histórias (para além do perigo, mais receável, de não se reparar muito nelas) é poderem ser etiquetadas como «histórias medievais». Não porque não o fossem, não porque a Idade Média tivesse de ser desinteressante, mas muito simplesmente porque nunca houve, entre nós, histórias «medievais» assim. E assim quer dizer com este desencanto, com esta atenção para a lamentável («trágica»já seria exagero) queda humana para o engano. Daí todo o fascínio destas narrativas.

Habituados a ver na época medieval o «heroísmo» ou a «ingenuidade», há-de custar-nos aceitar nela o «equívoco». Ora, é de graves equívocos que são tecidas as três histórias (quem ler verá que essas histórias são uma só), onde até Deus e os sonhos se enganam. Sobretudo se os filhos esperados, e prometidos, nos saem tanto às avessas. Como às avessas saíram as vidas dos pais deles. De autêntico, só o amor (o que, por ser lugar-comum, não é aqui menos convincente), para mais se não correspondido, como o dessa Margarida que ama Bernardo, o desse Martinho que também ama Bernardo, que é um falso monge e que não ama ninguém (conto «Bernardo»). Mas há, também, os homens bravios que amam Catarina, a prostituta do «monte das oliveiras», e que são, e apreciam ser, «pais» colectivos da filha que ela teve (em «Matilde»). E há a «criada muda» que ama o segundo de dois gémeos, o gémeo errado, que a Sorte parecia a nada dever destinar (em «Julião»).

Afora esses amores, todos tão magnificamente desinteressados, tudo são enganos. Uns mais vulgares, outros menos. Ângela Correia não força nem a nota nem a história. Os enganos virão por si.»

Em 2016, Enganos foi publicado na Bibliotrónica Portuguesa, em segunda edição revista pela autora.

Ângela Correia é professora na Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, investigadora e editora.

1 avaliação de Enganos

  1. José Marcos Serra

    AO OUVIDO DA AUTORA
    Como falar-lhe disto? Talvez a forma mais simples seja limitar-me a transcrever as anotações que, de modo espontâneo, fui garatujando num papel (para mim próprio), à maneira que fui lendo.
    – Narrativa estranha: o que quer a autora dizer com isto? aonde quer chegar?
    – Algumas fazem-me recordar os Evangelhos… mas não: Há coisas que não se adequam…
    – Continuo a procurar o significado para a simbologia.
    – Imagens que se confundem com poesia, mas, mais forte e latente, é a simbologia.
    – Afinal: Idade Média e o seu proverbial obscurantismo, mas há algo mais…
    – Escrita quase num estado subliminar
    – Deliberadamente anti-clerical? Ou apenas anti-engodo e as suas motivações? (em que a igreja usou e abusou).
    – Mas parece haver milagres reais…
    – Afinal caí no engano (também cairia “in illo tempore”).
    – Imaginação incomum. Temática estranha.
    CONSIDERAÇÕES FINAIS
    – É livro que não se esquece, por ser diferente de tudo o que se leu, pelo conteúdo e pela forma… talvez principalmente pela forma e modo.
    – Completamente inesperado em relação ao que fantasiara antes de começar a leitura.
    – Estranheza: Na minha cabeça “desenhei-a” pragmática. Mais um engano? Pragmático sou eu e não conseguiria imaginar um livro com todas estas caraterísticas, dúvidas, mensagens, símbolos e enganos.
    Felicito-a.
    José

Adicionar uma avaliação

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *