Logo Loading

Os Invulgares são agora quatro. Encontrámo-nos para celebrar o acontecimento, junto à nossa amada biblioteca da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, onde um piano enche o lugar de promessas. Além do Luís Ramos e da Ana Rita Sintra, Invulgares há quase um ano, estiveram os Invulgares Hélio Sequeira e Carolina Andrade, que vão agora começar a publicar também narrativas curtas no estilo invulgar que carateriza a escrita de cada um. Todos os originais continuarão a ser editados por mim.

Durante o encontro, falámos sobre a Índia e o Algarve, onde as amendoeiras em flor vão já lembrando uma velha lenda, e sobre como se pode não pertencer a lado nenhum. Falámos sobre História, Filosofia, Edição de Textos e Estudos Comparatistas; sobre o futuro e o presente e sobre o desejo de mergulhar as mãos nas hortas, em vez de partir para longe. Sobre a maravilha que é a prosa camiliana, sobre António Aleixo, teses, estudos desejados e cansaços, a liberdade e o desejo dela.

Falámos sobre a Bibliotrónica também: sobre as mudanças que se avizinham, e o modo de ser assim. A responsabilidade de ser recomendada pelo Plano Nacional de Leitura e a Direção Geral do Livro, dos Arquivos e das Bibliotecas, além de múltiplas bibliotecas de agrupamentos escolares, blogues e plataformas de ensino em Portugal e no mundo que fala português. Falámos com alegria dos 1608 seguidores atuais. E aplaudimos o Luís Ramos pelo sucesso de Verbo Condicionado. Álbum de Poemas, que já foi folheado mais de 4000 vezes e já foi lido 841, números que aumentam todos os dias.

Amanhã, sairá a primeira narrativa do Hélio Sequeira.

Ângela Correia

Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa

P. S. Os Invulgares continuam a ser fotografados por Constança Fernandes.

Comments(2)

    • José Serra

    • há 6 meses

    As velhotas mais sapientes da minha terra, se tivessem espreitado o encontro, teriam dito, convictas: «Assim é que é bonito!». É também a minha convicção sobre a essência do vosso trabalho.
    Por mim, vou semeando…

    1. Muito obrigada, caríssimo José Serra, nosso amigo semeador, sempre atento, sempre amável.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *