A lagoa de barro, por Luís Ramos

Posted · Add Comment

No meio do mato cerrado, havia uma antiga lagoa de barro. Dentro da lagoa, uma formiga tentava regressar à margem, percorrendo uma folha de rosmaninho. A poucos metros desta, um ser humano gritava de forma intermitente, quando a cabeça vinha à tona da água. Pelo trilho que passava junto à lagoa, caminhava outro ser humano. […]

Indefinido, por Luís Ramos

Posted · Add Comment

Ali há um espelho. Eu fui deitar-me defronte. – Pode vir também… se quiser… Isto de nos vermos ao espelho é muito importante! O espelho era tão cinzento. A sala estava tão escura. Eu acendi a lanterna do telemóvel e deitei-o no chão. O rosto ficou tão nítido no espelho. Eu pude contemplar o meu […]

Carta, por Luís Ramos

Posted · 1 Comment

O meu amigo Talé, grande construtor de sentimentos mas fraco na ortografia, pediu-me para corrigir uma carta de amor que ele pretendia enviar a uma rapariga chamada Biró, que o prendera no encanto dela. Como retribuição pelo favor prestado, pedi-lhe uma cópia da carta, que abaixo deixo transcrita. Eu, como sou fraco no sentimento… talvez […]

Soberba intelectual, por Luís Ramos

Posted · Add Comment

O mestre saudou Aqueap, o discípulo. O discípulo saudou Aqueen, o mestre. O mestre ensinou o discípulo a contemplar o invisível com o pensamento. O discípulo desobedeceu. O discípulo queria apenas contemplar o visível. O mestre ensinava que o invisível é sagrado. Mas o discípulo dizia para si que o mestre estava errado e que […]

Liberdade condicionada, por Luís Ramos

Posted · Add Comment

Inli, a criatura, nasceu no interior. O interior é delimitado por sequentes barras metálicas dispostas circularmente. O teto é branco pintado sobre betão no qual encaixam as barras. Em baixo, o chão é de betão forrado a azulejo. Aí nasceu Inli, numa coordenada que não sei precisar. Assim que nasceu, uma corrente branca fixada no […]

Outubro, por Luís Ramos

Posted · 1 Comment

«No início, Deus disse que se fizesse luz». Mas de onde proviria a luz que deveria ser dada aos nossos olhos? Este facto permanece vago, quando se trata de determinar propriedades de elementos abstratos que não conseguimos compreender. No entanto, quando nos aproximamos do concreto, é possível identificar um lugar. No caso do senhor Silva, […]