Crónicas da Cró, n.º 16, O um

Posted · 2 Comments

«O que muitos sabem não é menos importante para quem o descobre pela primeira vez» escreve Agustina Bessa-Luís n’ O Concerto dos Flamengos, romance publicado em 1994. Lembro-me da alegria que foi para mim aos 14 anos descobrir o teorema de Pitágoras. Foi descoberto há muitos séculos. O que vou contar aqui hoje é porque […]

Crónicas da cró, n.º 15 – 12 anos

Posted · Add Comment

Eu tinha 12 anos e 56 como hoje não tenho, não posso nem quero ter. Era toda coquette. Ninguém imagina a minha vida em 1972. Escrevia para França a pedir amostras de cremes Yves Rocher, mandava cupons que vinham na Elle e recebia pelo correio bisnagas miniatura. Ia sozinha para a Baixa, comprava queijo flamengo […]

Crónicas da cró, n.º 14 – Filmes

Posted · 1 Comment

Vi Crónica de Anna Magdalena Bach, de Jean-Marie Straub, quando tinha 14-15 anos. Foi no Instituto Alemão em Lisboa. O filme tinha legendas em inglês. Eu queria ser realizadora de cinema. Jean-Marie Straub estava presente. Fizeram-lhe perguntas. A uma pergunta respondeu que tinha pena de não ter estudado mais matemática em novo. Simplício, personagem de […]

Crónicas da cró, n.º 11 – Varejeira

Posted · Add Comment

Às vezes entra-me uma varejeira dentro de casa e fica a zumbir e a voar em ziguezag atormentada. As varejeiras transmitem doenças e podem parecer repugnantes. Também são belas. Têm azuis e verdes metálicos. Nos Contos Impopulares de Agustina Bessa-Luís há um conto que fala de uma moto, o conto chama-se «No caminho de Emaús». […]

Crónicas da cró, n.º 10 – Teatro

Posted · 2 Comments

Às 6h30 da manhã estou no café a ver as lindas notícias da televisão e a ler Tartaglia. Tartaglia é um matemático italiano do século XVI. Era um génio e um patife. Há muitos cientistas e artistas que são grandes génios e que são patifes. É um problema complicado. Os textos que leio de Tartaglia […]

Crónicas da cró, n.º 9 – Uma oração cor-de-rosa

Posted · Add Comment

Em 1998 participei num colóquio sobre literatura medieval. Foi no Algarve. Durante um almoço conversei com a investigadora em literatura de tradição oral Maria Aliete Galhoz. Ensinou-me uma oração que ouviu a uma mulher, julgo que no Algarve:   Olhei para o céu vi uma cruz capela de rosas Menino Jesus   Maria Aliete Galhoz […]

Crónicas da cró, n.º 8 – Natas

Posted · 2 Comments

O meu pai nasceu e cresceu em Penamacor, que fica perto da Serra da Estrela e perto de uma cidade chamada Manteigas. Mas o meu pai odiava manteiga e queijo, que era incapaz de comer. Eu também odeio manteiga e sou muito esquisita com queijos. Detesto natas, detesto bolos com chantilly. Como estou gorda, as […]